Gestão de Equipes – O segredo dos lobos


Lobos são muito cooperativos dentro dos seus grupos e podemos aprender a formar equipes mais produtivas com eles.

A frase: “O homem é o lobo do homem.” Que compara seres humanos a lobos, indicando individualismo e sobrevivência a qualquer custo, é uma frase muito injusta, com os lobos e com os seres humanos. Os dois são capazes de coisas incríveis. Os lobos são inteligentes e mais habilidosos que seus primos, os cães e os humanos são a espécie de maior capacidade de adaptação que se tem conhecimento até hoje.

Lobos são alguns dos animais mais sociais da natureza, são muito cooperativos dentro dos seus grupos, utilizam a sincronização via Mente de Colmeia* com maestria, e podemos aprender a formar equipes mais produtivas com eles.

No inicio do século passado no Parque de Yellowstone, nos EUA, o congresso americano autorizou um extermínio de lobos porque eles estavam matando o gado dos fazendeiros da região. O que eles não imaginavam é que a ausência destes animais traria um sério problema àquele ecossistema. Com o passar do tempo começaram a diminuir as árvores drasticamente, com a falta de raízes para nutrir o solo, os lagos começaram a se destruir pela erosão e ursos e esquilos começaram a desaparecer. Tudo isso porque a população de alces, a comida dos lobos, cresceu sem limites e acabou com as árvores. Em 1995, 70 anos depois da matança, o governo viu que a decisão havia sido errada e começou a importar lobos do Canadá para colocar no parque. Em 10 anos o equilíbrio do ecossistema começou a ser restabelecido. Lobos são necessários. O ecossistema precisa deles, assim como uma empresa precisa de bons gestores.

Mas, como os lobos fazem pra ser produtivos? Se passam 70 anos, você coloca alguns animais novos, que não tem nada ver com a história passada, que não se conhecem e nem o lugar que eles estão entrando, um ecossistema falido, uma empresa falida, e de repente, Chazan! Eles acertam tudo. Salvam a empresa toda… Como? Uivando para a Lua que não é.

Os resultados deles são tão bons que pesquisadores militares começaram a estudar os lobos para conhecer as estratégias deles e estão adaptando num programa, num software para usar nos drones de guerra. E foi dessa pesquisa que veio a resposta para a produtividade deles.

E a resposta é uma quebra de paradigmas para nós, seres humanos.

Os maiores pesquisadores do mundo sobre gestão de pessoas colocaram o modelo participativo, aquele mais flexível, mais arrojado como o melhor para aumento da produtividade com qualidade na empresa. E é exatamente essa a estratégia de caça dos lobos. Cada indivíduo é polivalente na equipe deles. Ele não fica engessado pela coordenação. A burocracia deles é mínima. Eles não ficam pedindo ordem e permissão para o líder o tempo todo. Na hora da caçada, eles têm autonomia porque cada um tem dentro de si o mesmo objetivo. A mesma filosofia de um ganha, todos ganham. Eles não são peças de um carro, cada um é um carro. E todos buscam o alvo com independência e se um estiver com melhores chances, todos identificam essa oportunidade e vão ajudar aumentando o percentual de sucesso. A gestão flexível é tão eficiente que todos os membros usam esse comportamento para sincronizar via Mente de Colmeia.

Mas e a liderança onde fica? Qual o papel dos gestores?

A liderança existe em diversos níveis nos lobos: alfa, beta, ômega e até entre os filhotes estagiários. E a simples presença de um bom líder inibe que o grupo faça coisas erradas, a simples presença do líder possibilita um norte para todo o grupo e isso vale também para todo o ambiente. Yellowstone não deu certo só pela presença dos lobos, mas pela postura que os outros animais começaram a ter quando chegaram os lobos. Os alces começaram a frequentar menos alguns lugares e a vegetação começou a crescer novamente, dando outro formato para os rios. Uma boa liderança se fazendo presente, o colaborador toma menos café. Lobo diminui a população de alces e consequentemente muda a vegetação, aumentando a população de pássaros, ursos e castores. Lider com L maiúsculo, de PADRÃO LOBO, muda o ambiente ao redor, ganha reconhecimento e recebe benefícios. Nos lobos o líder é o que melhor caça e o que está sempre alerta para garantir a segurança do grupo, ou seja, é líder por meritocracia e assim ganha o respeito do seu time. É a presença dele que traz confiança para o grupo. E ele mostra o seu respeito muitas vezes defendendo o grupo quando necessário, coerência, aptidão e atitude condinzentes com sua posição são NECESSÁRIAS! E quando o líder não está cumprindo o seu papel, ele pode perder o posto numa luta, competição, para outro membro do grupo.
Quando você estuda os ensinamentos de Warren Bennis, um dos maiores especialistas de liderança de pessoas do mundo, você conclui que um grande líder deve buscar resultados inspirando confiança e transmitindo significado no que se faz. É daí que vai vir a motivação da sua equipe.

E então você vai analisar os padrões de liderança dos lobos, que nunca estudaram Warren Bennis, e descobre que os líderes deles treinam seus filhotes para participar da caçada, incentivam a ninhada com brincadeiras de lutinhas, exercícios, e quando eles percebem algum mais medroso, mais fraco se aproximam deste para transmitir coragem. Justiça é dar a cada um aquilo que ele precisa. E a empatia é contagiante. O cuidado com o grupo, a presença positiva nos momentos difíceis, o poder sorrir se colocando em fazer sorrir.

Quando comparamos lobos com pessoas eu prefiro a frase: “Me jogue aos lobos e eu voltarei com uma alcatéia”.


TEMAS